Mais um relato sobre o direito à cidade

Este relato foi escrito pela Leila Petrini – que já publicou por aqui os textos Pedreiros, Ferrovia Santos-Jundiaí e Embu das Artes – sobre sua ida no último dia 13/06 na passeata do Movimento Passe Livre (MPL) em São Paulo.
Confesso que tenho medo de participar de manifestações em SP. Sempre há  a grande chance de fugir da repressão policial, e eu não tenho preparo algum – sou desligada, estou fora de um melhor condicionamento físico, etc etc. Mas, na terça-feira, dia 11, resolvi perder o medo. Era insuportável ficar em casa vendo as notícias e não fazer nada. Perdi o medo e fui pra paulista. Como vim direto do trabalho, em outra cidade, perdi o começo da manifestação. Como sabia que o centro estava parado, desci andando para lá, vendo o rastro deixado pelos milhares. Tudo em ordem na consolação. Chegando na Roosevelt, alguns também estavam perdidos. depois de alguns contatos telefônicos, seguimos eu e mais umas 10 pessoas para Sé. Não vimos nada na sé, mas um ar de pólvora rondava a João Mendes. soubemos que estavam no terminal Parque Dom Pedro. Indo para lá, 3 pessoas nos abordaram e disseram para não ir, porque a PM tinha cercado o terminal e jogavam bombas. Fiquei impotente – não sabia se ia, para receber bombas, ou esperava para ver se a galera conseguiria sair. Deu ódio de não estar lá por causa do choque. Decidi esperar – o medo imperou. Encontrei o pessoal subindo pra sé, e me juntei a eles. Paramos e decidimos ir à paulista. Subimos via brigadeiro, e lá tive de correr pela primeira vez quando um PM pegou um manifestante logo atrás de mim (bem atrás, mesmo). Corri e fiquei mais pro meio do pessoal. Até o masp, tava tudo bem pacífico – apesar de algumas depredações de meia dúzia de manifestantes, aos bancos, que foi lindo e assustador. Percebi, então, antes de ver e ler as notícias, que não era somente os 20 centavos a causa de tudo. Era o direito à cidade que disputavam. Vi estudantes, trabalhadores, amigos, e vi que o clima de insatisfação por essa cidade fascista estava generalizado, entre todos. Não eram 20 centavos, definitivamente. Chegamos à paulista, fomos até o MASP, e aí corri pela segunda vez: repressão através de bombas e balas. Conseguimos entrar na estação trianon, e fomos embora. Todo o gás e pólvora invadia a plataforma. Muitos tossiam bastante, e coçavam os olhos. Imaginei quem estava lá na frente, recebendo tudo isso. cheguei em casa, depois de tomar uma breja com outros amigos que também estavam na manifestação. saldo: cansaço físico enorme (as pernas, doendo, não me permitiram ir no quarto ato), mas uma satisfação gigante de ver tantos nas ruas. Feliz de estar lutando, dentro das minhas limitações.
Anúncios

A cidade do revide

E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo diante da chacina. 111 presos indefesos, mas presos são quase todos pretos ou quase pretos, ou quase brancos quase pretos de tão pobres e pobres são como podres e todos sabem como se tratam os pretos.

Caetano Veloso

Amar não é o suficiente. Ame-a ou deixe-a, São Paulo? Apropriar-se talvez seja mais legítimo.

APROPRIE-SE DE SUA CIDADE, POR FAVOR

Eis o meu manifesto, algo ou tudo o que eu poderia dizer sobre a nova guerra, essa guerra de cidade.

Sabemos que tudo começa quando 111. 111 de que? 111 de Carandiru. Lá, 111 assassinados e nenhuma justiça. Ninguém é culpado pelas mortes. Antes, os que matam réus pretos são considerados heróis.

PORQUE ERAM QUASE TODOS PRETOS.

Vi hoje, PCC pode ser representado pelos números 16 3 3 (P=16/ C=3). A polícia, 111 mesmo.

“Pois, Veja, só morreu bandido! Só morre quem reage! É justiça, não percebe?” Não, não percebo.

‘Santos’ ou ‘não santos’, bandidos ou não, polícia ou não, é gente que morre. 111 gentes. E hoje, neste conflito silencioso que permeia a cidade, quantas gentes morrem? Quem é que morre?

PORQUE ERAM QUASE TODOS PRETOS.

Pensei no Haiti. Rezei pelo Haiti. Pensei em São Paulo. Rezei por São Paulo.

Ninguém é bobo: a justiça não é uma demanda nova, funciona quase como default para “santos” e “não-santos”, todos mártires urbanos. Mas quando o Estado, aquele que detém o monopólio da violência e do julgar, se omite, as portas se abrem para o revide.

São Paulo é a cidade do revide.

E ninguém sabe realmente o que fazer… o revide não é racional, não há o que prever.

Não vou propor nada suicida, todos nós queremos continuar vivos. Mas penso que o revide só pode ser vencido quando os cidadãos, estes que habitam a cidade, começarem a se apropriar do lugar onde vivem, ter consciência de si, consciência do outro, pois O LUGAR ME/NOS PERTENCE. Não digo estar no lugar apenas fisicamente…  precisamos nos reconhecer, sentir que há poder em nós e não aceitar o revide. Somos todos pretos!

Mais amor, por favor? Amor não é suficiente. Consciência de classe te soa anacrônico?

Se você não aceita o revide, a morte de nossos pretos, de qualquer um, seja ‘santo’ ou ‘não santo’, já deu um passo. O próximo? Ocupar a cidade para dela não sentir mais medo. Saber quem somos e onde estamos.

São Paulo precisa se encarar, precisa perceber que o sangue nas ruas diz muito sobre as coisas que não nos preocupamos no dia a dia, diz muito sobre o que não é conversa apropriada para a sala de jantar.

Raquel Foresti