Pinguins e Vinagre

Há algumas semanas muitos foram pegos de surpresa com as ruas cheias de milhares e milhares de manifestantes. Alguns que, talvez, não tenham percebido que este movimento – com reivindicações voltadas especialmente para a qualidade de vida de nossas grandes cidades, dentre elas, a mobilidade urbana – já estava na ordem do dia dos movimentos sociais e dos partidos políticos, bem como nos artigos de jornalistas e blogueiros. Muitos acordaram, outros se assustaram e alguns apenas esboçaram um breve sorriso.

Um movimento desta magnitude, claro, traz consigo as contradições próprias da luta de classes e por isso qualquer análise rasteira poderia cair no ridículo. Por outro lado, é inegável o impacto que as massas nas ruas causam em corações e mentes. Muita gente desabafava em redes sociais, nos papos de boteco, na fila do banco os sentimentos sobre este nosso momento e traçavam paralelos interessantes com outros países.

O texto a seguir foi um comentário feito pelo André ‘Godinho’ num grupo qualquer do facebook, sobre uma música turca. Foi feito pouco depois do pico das manifestações, do medo da guinada à direita e da atitude das esquerdas se unirem no sentido de um projeto em comum. É sobre a Turquia, é sobre uma música turca, é a tentativa de uma tradução, é para além do sonho da revolução.

Raquel Foresti

Algumas notas sobre a música:

1) O começo da revolta lá teve duas razões principais: a) a derrubada de um parque onde os jovens costumavam se reunir para a construção de um shopping center; e b) uma série de leis que atingiam diretamente a juventude e que em parte estavam ligadas à “bancada islâmica” (a “bancada evangélica” deles), como a lei que proíbe a venda de bebida apos as 22h. Por isso se fala nas árvores, nos espaços públicos e em “decretos e ordens obstinadas”.

2) “O chão está molhado” me parece uma referência a uma das principais armas do choque por lá: os jatos de água lançados para derrubar as multidões.

1044583_656218551064819_1539524881_n3) Antártida resiste!: Há muitas referências a pinguins e à Antártida nos protestos da Turquia. A razão disso é interessante. No dia em que as manifestações cresceram tanto que não dava mais para a mídia ignorá-los, diversas emissoras cancelaram os telejornais para não ter que mostrar que o país estava tomado por uma insurreição popular. Um deles, a CNN-Turquia decidiu não passar o telejornal e colocou um documentário sobre a vida dos pinguins no lugar. A atitude da midia virou piada nacional e os manifestantes passaram a dizer que eles eram os pinguins, ou a resistência da Antártida. Se a derrubada de um parque são os “20 centavos” dos turcos, os pinguins são o vinagre deles.

André ‘Godinho’

Fiz uma tradução mequetrefe a pedido de uma pessoa na minha pagina:

Chega de declarações inconsistentes e proibições
Chega de decretos e ordens obstinadas
Chega de declarações inconsistentes e proibições
Chega de decretos e ordens obstinadas
Oh não, já tivemos o suficiente
Oh não, nós realmente estamos fartos
Quanta arrogância! Quanto ódio!
Venha devagar, o chão está molhado

Oh não, já tivemos o suficiente
Oh não, nós realmente estamos fartos
Quanta arrogância! Quanto ódio!
Venha devagar, o chão está molhado
Eles não podiam vender suas sombras
Então ele venderam os bosques
Eles derrubaram, fecharam cinemas e praças

Eles não podiam vender suas sombras
Então ele venderam os bosques
Eles derrubaram, fecharam cinemas e praças

Abrigado em shopping centers
Eu não me sinto como se atravessasse esta ponte
O que aconteceu com nossa cidade?
Está repleta de edifícios [roid?]

Oh, amada Istambul
Deitada adoecida
Sua beleza arruinada
Quanta desgraça, quanto gás, que luto é este?
Tudo está derrubado pelo chão
O que aconteceu com você?
Me diga, me diga!
Não quero você deste jeito.
Não, eu não quero

Oh não, já tivemos o suficiente
Oh não, nós realmente estamos fartos
Quanta arrogância! Quanto ódio!
Venha devagar, o chão está molhado

Venha devagar, o chão está molhado
Venha devagar, o chão está molhado
Venha devagar, o chão está molhado

Sobre nosso vizinho:  é historiador dos movimentos populares e badernas afins. Nas horas vagas toma a cerveja e, eventualmente, o poder

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s